terça-feira, 28 de maio de 2013

CAPITALISMO X COMUNISMO

Raul Longo

Pouca gente tem paciência para ler e entender “O Capital” de Karl Marx. Eu não me considero suficiente para tanto e das vezes que tentei, entendi coisa ou outra. Mas divaguei na maior parte.

Maior parte do que li, e foi muito pouco. Afora publicações que continham trechos da obra, completo mesmo apenas um dos 4 densos e portentosos livros.

Infelizmente não conheci o Che Guevara, mas gostaria de perguntar como conseguiu ler e entender “O Capital” e ao mesmo tempo fazer revolução. Apesar de estudioso, Che não deve ter lido “O Capital” inteiro.

A Rosa Luxemburgo leu e quando quero entender alguma coisa do Marx, recorro a ela. Não sei se por ser polonesa ou por ter sido mulher, compreendo melhor a Rosa.

Apesar de ter escrito “O Capital” para explicar ao proletariado de todo o mundo como e por que meios o Capitalismo nos explora, infelizmente poucos de nós o entendemos em toda sua abrangência crítica ao sistema. Daí é que alguns governos se aproveitaram para dominar totalitariamente seus povos em nome do Comunismo, sem nada terem de comunistas.

Por sua vez os Capitalistas usaram os crimes sociais praticados por aqueles falsos comunistas para se apontarem como libertários. Uma ova!

Tiranos hipócritas praticaram muitos crimes fingindo-se de Comunistas, sim; mas não menos hipócritas nem menos tiranos os que justificaram as barbáries cometidas em todo o mundo, inclusive aqui no Brasil, dizendo combater o totalitarismo Comunista.

O verdadeiro Comunismo não é nem pode ser totalitário. Como o que tem de ser comum, pode ser exclusivo? Se for exclusivo, não é Comunista.

Já o Capitalismo, não tem jeito. É essencial que seja exclusivista.

O que é o Capital se não o acúmulo? E como todos podem acumular a mesma coisa? Não há meio! É ilógico, inviável e inexequível!

Essa história de que aqueles que acumulam Capital se tornam distribuidores do que acumularam, é conversa para enganar criança pequena ou adulto tolo. É preciso ser muito tonto para acreditar que apenas 10% (média europeia) ou 1% (média latino-americana) tenham de ficar cada vez mais ricos, para que haja alguma distribuição de riqueza?

Pode haver um raciocínio mais estúpido do que esse?!!

Aí vêm aqueles exemplos, muito comuns na mídia cotidiana, pintando o Capitalismo de rosa na divulgação da boa vida dos cidadãos da parte ocidental do Hemisfério Norte. E não aparece ninguém para avaliar dois aspectos simples, evidentes e gritantes:

Quem que mantém o consumismo irresponsável dos cidadãos dos países ricos? É só raciocinar um pouco: os estadunidenses poderiam ser tão gordos se os africanos não fossem tão magros?

A maior parte dos minérios utilizados pelas indústrias que enriquecem o Hemisfério Norte é levada da África. E todos os governos tiranos da África foram impostos pelos governos das nações do Hemisfério Norte.

Isso é uma evidência e não é preciso ler Marx para enxergá-la. É só não se deixar cegar e emburrecer pela mídia.

Mas há ainda uma realidade menos evidente, mais difícil de ser enxergada, porque escondida, omitida, não informada: existem pobres e miseráveis também no Hemisfério Norte. E não são poucos!

Segundo o US Census Bureau, o IBGE dos Estados Unidos, 58,5% da população daquele país entre 25 e 75 anos de idade viverá ao menos um ano abaixo do nível de pobreza. https://es.wikipedia.org/wiki/Pobreza_en_Estados_Unidos.  Ou seja, mais da metade da população do país que concentra os maiores acumuladores de Capital do mundo, por pelo menos 360 dias de sua vida passará fome.

Claro que não consecutivos, pois todo ser humano acaba morrendo se ficar esse tempo todo sem comer coisa alguma. É preciso encontrar algum resto de sanduíche jogado ao lixo pelo crasse merdia dos Estados Unidos ou do Brasil.

Obesos e untuosos pela fartura, lá como cá a crasse mérdia se sente feliz por pertencer aos 40% dos privilegiados que não passam fome um único dia e continuam ignorando as omissões e acreditando nas mentiras com que a mídia internacional, Hollywood incluída, embala seus sonhos pueris de meninos abobados.

Continuarão dizendo que Comunista é comedor de criancinha enquanto assistem pela TV ou leem nos jornais e revistas quanto o mundo Capitalista é elegante, fofo e aconchegante.

Sentindo-se assim tão seguro e protegido, claro que o crasse mérdia jamais lerá Karl Marx e não será por aí que poderá perceber que o sistema Capitalista não tem o menor interesse em sua condição de vida, tão descartável quanto o lixo que produz e sem o menor significado perante o objetivo único e exclusivo do sistema: o acúmulo de Capital.

Num rasgo de inteligência o crasse mérdia se defenderá lembrando que o sistema depende intrinsicamente de seu poder de consumo. E é verdade, sem o consumo da crasse mérdia  o Capitalismo vai a falência, assim como a mídia desaparece se não houver quem acredite em suas mentiras ou questione suas omissões.

Já que ler Marx não vai mesmo, envie o arquivo anexo para o crasse mérdia que você conhece. Por certo ele gosta de brincar de carrinho e quem sabe essas informações consigam que comece a pensar em alguma coisa a respeito do sistema que Marx analisou em “O Capital”. Ou pelo menos a desconfiar do que a mídia lhe anuncia. 
Postar um comentário