sexta-feira, 29 de junho de 2012

Boletim de Notícias do Instituto Telecom

 

número 508, em 29 de junho de 2012


Consumidores vão julgar qualidade dos serviços das teles

A partir do próximo ano, a avaliação dos serviços da telefonia fixa, por parte da Anatel, incluirá uma pesquisa para medir a qualidade percebida pelos usuários. É o que prevê a proposta de novo regulamento de gestão da qualidade da telefonia fixa, apresentado nesta quinta-feira, 28/6, pelo relator da matéria, Marcelo Bechara. Uma decisão, porém, foi adiada por pedido de vistas do conselheiro Rodrigo Zerbone.
Leia Mais

Marco Civil corre contra o 'relógio' do Congresso

Atropelado pela tentativa de votação do projeto sobre royalties do petróleo, o relator do Marco Civil da Internet, Alessandro Molon (PT-RJ) vai tentar apresentar o texto na próxima semana. A ideia ainda é tornar pública a proposta antes do recesso parlamentar, em 17/7.
Leia Mais

2º Fórum da Internet do Brasil começa semana que vem em Olinda

Contagem regressiva para o 2º Fórum da Internet no Brasil, que será realizado entre os dias 3 e 5 de julho, em Olinda, Pernambuco. Período em que também vai acontecer a reunião preparatória brasileira para o Comitê Gestor da Internet (CGI.br) 2012. O evento será um espaço aberto de debates sobre os desafios atuais e futuros da rede.
Leia Mais

Anatel propõe uso de cartão de crédito e até volta das moedas para ligar de orelhões

Proposta, que passará por consulta pública, prevê também o uso de publicidade nos aparelhos para ajudar na manutenção do serviço.

A volta do uso de moedas ou a opção de pagamento por cartões de crédito para fazer ligações de orelhões fazem parte da proposta de novo regulamento da Anatel, que unifica as regras de características de funcionamento e cobrança do telefone de uso público e o de normas para utilização do cartão indutivo nesses telefones. A proposta será submetida a consulta pública por 45 dias, coordenada pela área técnica, mas terá que ser aprovada pelo conselho diretor da agência.
Leia Mais

Anatel prorroga consulta sobre regimento interno

A Anatel prorrogou a consulta pública nº 20, sobre a alteração do regimento interno da agência, e continuará recebendo propostas sobre o assunto até o dia 9 de setembro. Ela seria encerrada no dia 6 de julho.

A consulta pública nº 20 trata da modernização da estrutura da agência, adequando-a “à convergência tecnológica; divisão das competências por processos e não mais por serviços; alocação das principais atividades da agência em superintendências diferentes, para descentralização do poder decisório; e criação de mecanismos para aperfeiçoar a interação entre as superintendências”.
Leia Mais

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Por um debate racional sobre a energia nuclear

Muito interessante e esclarecedor. Visitei, em 2010, a mina de urânio em Caitité (BA), extração administrada pela INB (Indústrias Nucleares do Brasil). Conheci pessoalmente, in local, o processo de extração. Por essa razão afirmo que esse texto é importante para explicar, de uma formal bem simples, que é a melhor alternativa para a evolução na área energética, como solução para o desenvolvimento sustentável do Planeta. É só caprichar em pesquisas e inovações nessa área.



O Estado de São Paulo
Por um debate racional sobre a energia nuclear – Artigo de Francisco Rondinelli fala que “um dos maiores desafios com o quais se defronta a sociedade contemporânea é o de definir as bases para o equilíbrio entre desenvolvimento e sustentabilidade”.
 

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Quando um capitalista é sincero

video

O capitalismo é um sistema que levará o mundo a degradação total, caso não ocorra sua breve substituição. Ouvir este vídeo leva a refletir outras mazelas reflexo da lógica do sistema.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Síntese da MIDIA IMPRESSA


Perillo/mais denúncias – Globo destaca no alto da capa que “Sócios de Perillo têm contratos públicos em GO”. Informa que três dos oito sócios do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), na compra de um terreno de um milhão de metros quadrados, em Pirenópolis (GO), receberam milhões do governo de Goiás. Na lista dos sócios do governador estão as empreiteiras Fuad Rassi Engenharia e CCB Construtora Central do Brasil, e José Augusto D"Alcântara Costa, dono de uma empresa de eventos que também tem contratos com o governo. Estado, também na capa, noticia que “Assessor de Perillo recebeu de Cachoeira”. Matéria diz que o grupo de Carlinhos Cachoeira repassou R$ 600 mil a empresa de Jayme Rincón, homem forte do governo de Goiás e tesoureiro da campanha do governador Marconi Perillo (PSDB) em 2010. Os depósitos coincidem com empréstimo que Cachoeira afirmou ter feito a Rincón, segundo a PF. Correio, na manchete, coloca “Perillo no olho do furacão”. Diz que senadores e deputados do PT prometem que “o tempo vai fechar hoje para o governador de Goiás, na CPI do Cachoeira”. Jornal diz que petistas e tucanos negam um suposto acordo para poupar tanto Perillo quanto Agnelo Queiroz (PT), que depõe amanhã na comissão. Painel, da Folha, na nota “Tiro ao alvo”, informa que “nas conversas interceptadas pela Polícia Federal, em maio de 2011, Cachoeira afirma que Perillo agendou para ele uma reunião com Fernando Leite, ex-presidente da Caesb, empresa de saneamento do Distrito Federal, e pediu que Claudio Abreu, ex-diretor da Delta, o acompanhasse”. Agnelo – Folha, internamente, destaca que “Agnelo não prova compra de casa no DF em processo”. Em retranca, governador do DF afirma que imóvel foi declarado no imposto de renda. Editorial do Globo, “A corrupção na política local de Brasília”.

Izabella x “miopia ambiental” – Estado destaca como manchete que “Ministra defende consumo e critica 'miopia ambiental'”. Reporta que a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, defendeu ontem as medidas do governo para estimular o consumo, inclusive a redução de IPI sobre carros, dizendo que elas não são incompatíveis com o debate sobre desenvolvimento sustentável da Rio+20, que começa amanhã e reunirá mais de cem chefes de Estado. Relata que, em evento sobre sustentabilidade, a ministra criticou as discussões sobre indicadores socioambientais que não levam em conta questões de governança e gestão. "Tem limite para a miopia ambiental", disse Izabella a uma platéia formada principalmente por ambientalistas. "Temos de debater como gente grande. Vamos acabar com o achismo ambiental." Sobre o estímulo ao crédito e a redução de impostos para incentivar os brasileiros a consumir, a ministra afirmou, em entrevista, que "medidas de curto prazo não podem ser confundidas com a discussão de médio e longo prazos da Rio+20, onde vamos fazer um debate para os próximos 20 anos, discutir o futuro do planeta sem pensar no curto prazo". Globo destaca internamente crítica de Izabella à legislação ambiental. Marina Silva ganha registro no Estado, “Estamos virando exterminadores do futuro”. Folha, sobre o evento, diz na capa que “Cúpula já tem impasse entre países ricos e emergentes”. Refere-se a fala de Sha Zukang, secretário-geral da Rio+20, contra a tentativa de países ricos de retirar ou diluir no documento final a ideia da "responsabilidade comum, mas diferenciada", pela qual os desenvolvidos contribuem mais. EUA, Europa e Japão dizem que China, Índia e Brasil, entre outros, devem assumir mais responsabilidade. Lembra que, na Rio+20, os dois eixos centrais são "economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza" e "estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável". Correio, na capa, ressalta preocupação do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, para o risco de a “Crise [econômica global] deixar Rio+20 em 2º plano”. Globo destaca crítica de Coutinho aos motores de combustão dos carros, “são delinqüentes relevantes”. Ambientalista e física indiana Vandana Shiva é entrevistada pelo Globo, “O poder está nas redes sociais”. Globo entrevista também o deputado federal do PV Alfredo Sirkis (RJ): “O Rio deve manter a centralidade na questão climática”, defende. Vazamento/ “multa gigante” – Globo noticia na capa em “Multa gigante para vazamentos” que a Agência Nacional do Petróleo quer mudar a lei para punir com mais rigor as empresas petrolíferas que causarem vazamentos de óleo no mar com danos ao meio ambiente e a vidas humanas. A multa máxima pode chegar a R$ 150 milhões, o que representa 30 vezes mais do que a regra prevê hoje. A multa mínima passará a R$ 30 milhões. Código Florestal – Deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) escreve na Folha “Por um Código Florestal equilibrado”. Publicitário Nizan Guanaes escreve na Folha “Rio + muita coisa”, sobre holofotes no Rio.

BB/BNDES/obras no Rio – Globo dá manchete para “BB faz empréstimo inédito para obras no Estado do Rio”. Informa que o Banco do Brasil vai emprestar R$ 3,6 bilhões ao governo do Rio em parcelas até 2015 – sendo que R$ 885 milhões já amanhã – para viabilizar “projetos importantes” como a Linha 3 do metrô (Niterói-São Gonçalo), a despoluição das lagoas da Barra e aquisição de barcas. Relata que o dinheiro, que será pago em 20 anos, também reforçará o caixa das obras da Linha 4. Matéria informa que, no transporte, também serão contemplados o Arco Metropolitano, a recuperação de rodovias, asfaltamento no interior, contenção de encostas na Serra e controle de cheias no Norte Fluminense. Globo cita o vice-governador e secretário estadual de Obras, Luiz Fernando Pezão, que disse que, ao negociar o financiamento junto à presidenta Dilma, também acertou a inclusão de R$ 500 milhões para a obra no Orçamento Geral da União de 2013 e mais um outro empréstimo, provavelmente do BNDES, de R$ 700 milhões. Anota que a estimativa é que a obra custe em torno de R$ 3 bilhões. Brasil Econômico dá como manchete que “Em 2015, não faltará mais dinheiro para infraestrutura, diz governo”, em referência a mecanismos como debêntures lançadas pelas empresas, que podem revolver os gargalos do setor. Cita estimativa da Associação Brasileira da Indústria de Base, de que o país precisa de R$ 180 bilhões por ano para investir na área. Estado, internamente, afirma que “Ministérios batem cabeça e paralisam infraestrutura”. Editorial do Estado, “Exemplos de Gestão”.

Cruzeiro do Sul/ “lavanderia” – Folha destaca na capa que “BC chamou Cruzeiro do Sul de 'lavanderia de dinheiro'”. Noticia que dois anos antes de decretar intervenção no Cruzeiro do Sul, o BC havia informado à Justiça que o banco era uma "grande lavanderia de dinheiro". Para o BC, o banco foi complacente com operações atípicas de um fundo, cujos cotistas não tinham dinheiro para fazer aplicações registradas. O Cruzeiro do Sul disse que não via razão para desconfiar. As movimentações atípicas se deram por meio do Clube Alta Liquidez, fundo de investimento criado em 2001. Reporta que, para o BC, o fundo foi constituído "com o objetivo claro de acobertar movimentação financeira de interesse de terceiros, visando lavagem/branqueamento de dinheiro". Valor diz na capa que “Fraudes do Cruzeiro do Sul vieram do Rio”. Informa que o BC tem indícios de que as operações de crédito fictício que levaram à intervenção do Banco Cruzeiro do Sul foram forjadas no Rio. "Parece que lá estava o problema", disse em entrevista ao Valor o diretor de fiscalização do BC, Anthero Meirelles. As chamadas "inconsistências contábeis" foram detectadas por um novo sistema estatístico da autoridade monetária, que cruza dados de mercado, dos balanços dos bancos e da Central de Risco de Crédito. Estado noticia na capa que “Cruzeiro do Sul [pagou] R$ 232 milhões em dividendos” entre 2009 e 2011 com base em resultados hoje suspeitos de terem sido forjados. Cerca de 80% foi entregue aos controladores, a família Índio da Costa. 

Seca/prejuízos – Valor dá manchete para “Seca prossegue e previsão de perdas passa de R$ 26 bi”. Informa que, depois de afetar seriamente o Produto Interno Bruto (PIB) do país no primeiro trimestre, a seca continua devastando o Nordeste e comprometendo a agricultura no Sul ao longo do segundo trimestre. Reporta que, no Nordeste, o número de municípios em situação de emergência já alcançou 996 cidades. Lembra que, em abril, 458 estavam nessa condição. Relata que no Rio Grande do Sul, a situação para a população já está mais amena (o número de municípios em situação de emergência caiu de 340 em fevereiro para 108 em junho), mas a indústria projeta que a estiagem trará prejuízos diretos e indiretos acima de R$ 16 bilhões para a economia gaúcha. Nos Estados afetados, os prejuízos previstos já ultrapassam R$ 26 bilhões. Diz ainda que, no Rio Grande do Norte, que tem 139 municípios em situação de emergência, a projeção é de um rombo de cerca de R$ 5,5 bilhões no PIB do Estado em 2012.

Documentos militares/sigilo prorrogado – Folha informa em manchete que “Governo prorrogou sigilo de documentos militares”. Diz que dias antes da entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação, o Ministério da Defesa recorreu a brechas legais para ampliar o segredo sobre documentos militares, o que pode prorrogar em até 15 anos o prazo para que eles venham a público. Diz também que o ministério não informou quantos são os documentos e por quanto tempo de fato pretende mantê-los sob sigilo. Jornal informa que “identificou a manobra” após ter solicitado acesso, por meio da nova lei, aos registros de venda de material bélico do Brasil para o exterior entre 1990 e 2012, com o objetivo de saber se os armamentos estão sendo usados por ditaduras ou grupos paramilitares em crimes contra os direitos humanos.

Espanha/resgate supervisionado – Folha informa na capa que “União Europeia diz que resgate na Espanha será fiscalizado”. Reporta que no primeiro dia útil após a Espanha anunciar aceitar uma ajuda externa de até € 100 bilhões para o seu setor bancário, qualificando-a não de resgate e sim de crédito barato e sem condicionalidades, a União Europeia se manifestou. O vice-presidente da Comissão Europeia, Joaquin Almunia, disse que o empréstimo será supervisionado pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu e pelo FMI. Globo acompanha, na capa. E Estado também. Valor informa na capa que “Bancos espanhóis terão plano rigoroso de ajuste”. Brasil Econômico também registra na capa intenção da UE de fiscalizar Espanha. Editorial do Globo, “Crise europeia continua imprevisível”. Do Estado, “Ajuda sanitária à Espanha”.

Delúbio x mídia – Folha noticia na capa que “Mídia já condenou PT pelo mensalão, afirma Delúbio”. "Estamos condenados pela imprensa, mas não podemos baixar a cabeça. A denúncia, com todo o respeito ao Procurador-Geral da República, foi uma fantasia", disse Delúbio em reunião com um grupo de aliados em Morrinhos (GO). "Quem for candidato do PT tem que se vacinar. Esse negócio do mensalão vai sair na mídia todo dia: "Dirceu é ladrão, Delúbio é ladrão". E os adversários vão pegar esse embalo", afirmou. Relata que, na reunião em Morrinhos estavam presentes cerca de 30 integrantes do partido, entre eles possíveis candidatos nas próximas eleições. Sobre a perseguição pela mídia do ex-ministro José Dirceu, cineasta Luiz Carlos Barreto escreve na Folha artigo “¿Por qué no lo matan?” no qual diz que o passado de luta do petista foi esquecido. Chinaglia/ “armadilha” – Folha, internamente, reporta que o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), participou ontem pela primeira vez de uma reunião do PT para definição de estratégia na CPI do Cachoeira. Ele recomendou que o partido não "caia na armadilha" de discutir o mensalão.

Servidores federais/pressão por reajuste – Correio destaca na capa que “Mobilização por reajustes desafia Dilma”. Informa que o governo está preocupado com o aumento das pressões para que conceder reajuste aos servidores federais, incluindo os militares. Esse foi o principal assunto da conversa na manhã de ontem da presidenta Dilma com as ministras Miriam Belchior (Planejamento) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil), o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, e o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, no Palácio do Planalto. Correio diz que, na mesa, foram colocadas as dificuldades para o governo fechar o Orçamento de 2013, se tiver de conceder aumentos para todas as categorias que já começam a fazer campanha e greves.

PSB/com Haddad – Folha, internamente, noticia que “PSB bate martelo e será o 1º partido a apoiar Haddad”. Informa que o PSB será o primeiro partido a oficializar o apoio a Fernando Haddad (PT) na corrida pela prefeitura paulistana. O comunicado formalizando a aliança deve ser feito até amanhã pelo governador Eduardo Campos (PE) e o ex-ministro Roberto Amaral, principais dirigentes da sigla, a Lula, padrinho da candidatura de Haddad, e Rui Falcão, presidente nacional petista. Campos e Amaral dirão à cúpula do PT que a decisão independe das articulações entre os dois partidos para Recife e Fortaleza, que se arrastarão até o final do mês.

MEC/inclusão – Correio, na capa, em “Uma chance aos diferentes”, noticia que mudança no texto do Plano Nacional de Educação, do MEC, garante recursos a escolas especializadas no atendimento a alunos com algum tipo de deficiência. Noticia que Plano Nacional de Educação, em tramitação no Congresso, defende repasse de recursos federais às instituições voltadas ao atendimento de alunos com necessidades especiais. No texto original, MEC prevê que estudantes frequentem salas de aulas regulares.

Turismo/demissão – Estado noticia na capa que “Cai diretor do Turismo que beneficiou parentes”. Informa que o diretor do Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico (Deaot) do Ministério do Turismo, Ricardo Martini Moesch, pediu demissão ontem. Jornal lembra que revelou, no sábado, que ele é investigado por usar o cargo para favorecer entidade dirigida por parentes, o Instituto Marca Brasil, em convênios com a pasta. Relata que o pedido de exoneração foi apresentado ao ministro Gastão Vieira (PMDB), que o aceitou. Jornal diz que a CGU deve apurar também o envolvimento de outros servidores e ex-servidores com o instituto. Banco do Nordeste – Globo noticia internamente que “Governo afasta chefe de gabinete do presidente do Banco do Nordeste”.

Pimentel/Comissão de Ética – Folha reporta que “Comissão decide investigar viagem de Pimentel”. Noticia que a Comissão de Ética da Presidência resolveu abrir procedimento para investigar a viagem do ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) em avião fretado pelo empresário João Dória Jr, presidente do Lide (Grupo de Líderes Empresariais).

Haiti/reembolso – Folha, internamente, diz que “ONU reembolsou 26% do total gasto pelo Brasil no Haiti”. Noticia que o Ministério da Defesa informou ontem que a ONU reembolsou o governo brasileiro em 26% do total gasto pelo país nas operações militares no Haiti entre 2004 e 2012.

SP/arrastões – Folha noticia na capa que “SP teve 11 arrastões a menos de 500 metros de prédios policiais”. Levantamento feio pelo jornal aponta que as atos de bandidagem ocorreram em condomínios e restaurantes dentro de um perímetro próximo da polícia.
 

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Aviso aos golpistas: o PT não aceita canga

Rezando na cartilha da velha mídia golpista, o presidente nacional do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra (PE), afirmou ontem com todas as letras que o PT e o ex-presidente Lula são uma “ameaça à democracia” no Brasil. Referia-se à suposta pressão que nós, petistas, estaríamos fazendo sobre o STF e o procurador-geral da República para “melar” o julgamento do chamado “mensalão”.

Ao que tudo indica, Guerra perdeu de vez o medo do ridículo. Deve estar atordoado.

Quero lembrar rapidamente, apenas para não passar em branco, que não existe, no país, partido mais democrático do que o PT, com sólidas raízes nos movimentos sociais e cujas direções são eleitas diretamente pelos filiados; que o PT é de longe, segundo todas as pesquisas, o partido mais respeitado e mais admirado pela população brasileira; e que os governos Lula e Dilma tem aprovação de 80% do povo justamente por terem promovido avanços sociais e econômicos extremamente democráticos, com distribuição de renda e combate às desigualdades, sempre respeitando as instituições, as divergências e a diversidade, disputando a opinião pública no debate e no voto.

É claro que Sérgio Guerra sabe de tudo isso e deve se lembrar de quando foi citado, justa ou injustamente, como um dos envolvidos na CPI do orçamento, também conhecida como CPI dos Anões. Ele está só fazendo política rasteira, da pior espécie, na tentativa de desviar o foco das graves acusações que pesam contra caciques do seu de outros partidos da oposição e, quem sabe, encontrar um discurso fácil para os candidatos tucanos nas eleições deste ano. Acho que está perdendo tempo. Deveria virar o disco.

Se olhar para trás, o deputado verá que seu partido não ganhou nada com isso nas últimas eleições. E, se olhar com atenção para os que estão ao seu lado, descobrirá facilmente quem são os verdadeiros detratores da democracia no Brasil, aqueles que histórica e continuamente trabalham para manter privilégios, perpetuar maracutaias e derrubar governos legitimamente eleitos. Refiro-me à velha mídia na qual Guerra se sustenta para produzir bobagens com as de ontem.

Entremos no túnel do tempo. Foi essa imprensa golpista – com Carlos Lacerda e companhia – que levou Getúlio Vargas ao suicídio, tentou impedir a posse de Juscelino Kubistchek e se engajou na campanha para derrubar João Goulart, defendendo com entusiasmo a ditadura instalada com o Golpe de 1964.

O tempo passou, o povo foi para as ruas, o regime começou a se abrir, os militares foram voltando para a caserna, mas os golpistas civis, cada vez mais atuante nos grandes meios de comunicação, não perderam o vicio e estão soltos por aí. Tentaram fraudar a eleição de Leonel Brizola para governador do Rio em 1982, manipularam escandalosamente o debate entre Lula e Collor às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais de 1989 e apoiaram sem reversas (como ainda apóiam) a privataria tucana que dilapidou o patrimônio nacional e desmontou o Estado. Desde a primeira eleição de Lula, em 2002, trabalham diariamente para inviabilizar o projeto de mudanças iniciado a partir dali – projeto que, repito, tem apoio de 80% da população.

A democracia defendida por Sérgio Guerra e seus capangas (na política e na imprensa) é um sistema fechado e apoiado por uma pequena elite. Nela não cabem, por exemplo, nem movimentos sociais (que precisam ser atacados e criminalizados) nem direitos trabalhistas (que devem ser eliminados).

Mas a democracia tem avançado, apesar deles. As instituições brasileiras foram fortalecidas com os governos do PT, ganharam corpo, estrutura e, sobretudo, independência. Hoje há mais controle, transparência, fiscalização e investigação. A impunidade não é mais uma característica do sistema político brasileiro.

Os que ainda não perceberam isso esquecem que, somente no governo Lula, a Polícia Federal fez mais de mil operações, com 14 mil presos, sendo 1.700 servidores públicos – além de muita gente graúda como empresários, juízes, policiais e políticos, inclusive do PT. Perguntem ao deputado Sérgio Guerra quantas operações a PF fez no governo FHC. Se ele não souber responder, eu respondo: 28, apenas 28. Várias delas não se sabe o resultado. Perguntem ao procurador geral da época.

Diante desse quadro, a oposição, sem rumo e sem propostas alternativas para o Brasil, alia-se aos golpistas de plantão. Toda vez que se aproxima o período eleitoral, ou quando ambos (oposição e mídia) são pegos com a boca na botija, como agora, eles saem que nem loucos por aí gritanto “mensalão, mensalão”.

Não vai funcionar. No caso específico – o da máfia comandada pelo bicheiro Cachoeira, com tentáculos no meio empresarial, na política, no Judiciário, no governo de Goiás e em grandes veículos de imprensa, como a Revista Veja – não existe tática diversionista capaz de encobrir o que já foi apurado pela PF e que certamente, com todo o empenho da base de apoio aliada, será aprofundado na CPMI que está instalada no Congresso Nacional.

Quanto ao julgamento do chamado “mensalão” no STF, nada tememos. O PT sabe que o “mensalão” não existiu e confia na Justiça brasileira. Certamente, houve irregularidades na manipulação de recursos para campanhas eleitorais. Mas a alegada compra de votos de deputados, para a aprovação de projetos do governo, jamais foi comprovada. Como não foi comprovada a participação, no suposto esquema, de figuras centrais do processo, entre eles o ex-ministro José Dirceu.

É bom lembrar que dizem que houve compra de votos para aprovar a emenda que propunha a reeleição, patrocinada pelo governo FHC.

O PT não tem por que pressionar o STF e a Procuradoria Geral da República (PGR), mas o PT, com a responsabilidade de quem governa o Brasil há 10 anos, tem a obrigação, o dever, de apurar e levar às últimas consequências as graves denúncias e suspeitas que atingem tanto o Procurador-Geral Roberto Gurgel como, agora também, o ex-presidente do STF Gilmar Mendes. Não é o “mensalão” que está em jogo. É a integridade e a credibilidade de duas das maiores instituições brasileiras.

Os que se apressam em gritar “mensalão” querem na verdade colocar uma canga no PT e tentar tirar o principal assunto do momento do foco das atenções. Mas podem tirar o cavalo da chuva. Não vão conseguir.