terça-feira, 12 de junho de 2012

Síntese da MIDIA IMPRESSA


Perillo/mais denúncias – Globo destaca no alto da capa que “Sócios de Perillo têm contratos públicos em GO”. Informa que três dos oito sócios do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), na compra de um terreno de um milhão de metros quadrados, em Pirenópolis (GO), receberam milhões do governo de Goiás. Na lista dos sócios do governador estão as empreiteiras Fuad Rassi Engenharia e CCB Construtora Central do Brasil, e José Augusto D"Alcântara Costa, dono de uma empresa de eventos que também tem contratos com o governo. Estado, também na capa, noticia que “Assessor de Perillo recebeu de Cachoeira”. Matéria diz que o grupo de Carlinhos Cachoeira repassou R$ 600 mil a empresa de Jayme Rincón, homem forte do governo de Goiás e tesoureiro da campanha do governador Marconi Perillo (PSDB) em 2010. Os depósitos coincidem com empréstimo que Cachoeira afirmou ter feito a Rincón, segundo a PF. Correio, na manchete, coloca “Perillo no olho do furacão”. Diz que senadores e deputados do PT prometem que “o tempo vai fechar hoje para o governador de Goiás, na CPI do Cachoeira”. Jornal diz que petistas e tucanos negam um suposto acordo para poupar tanto Perillo quanto Agnelo Queiroz (PT), que depõe amanhã na comissão. Painel, da Folha, na nota “Tiro ao alvo”, informa que “nas conversas interceptadas pela Polícia Federal, em maio de 2011, Cachoeira afirma que Perillo agendou para ele uma reunião com Fernando Leite, ex-presidente da Caesb, empresa de saneamento do Distrito Federal, e pediu que Claudio Abreu, ex-diretor da Delta, o acompanhasse”. Agnelo – Folha, internamente, destaca que “Agnelo não prova compra de casa no DF em processo”. Em retranca, governador do DF afirma que imóvel foi declarado no imposto de renda. Editorial do Globo, “A corrupção na política local de Brasília”.

Izabella x “miopia ambiental” – Estado destaca como manchete que “Ministra defende consumo e critica 'miopia ambiental'”. Reporta que a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, defendeu ontem as medidas do governo para estimular o consumo, inclusive a redução de IPI sobre carros, dizendo que elas não são incompatíveis com o debate sobre desenvolvimento sustentável da Rio+20, que começa amanhã e reunirá mais de cem chefes de Estado. Relata que, em evento sobre sustentabilidade, a ministra criticou as discussões sobre indicadores socioambientais que não levam em conta questões de governança e gestão. "Tem limite para a miopia ambiental", disse Izabella a uma platéia formada principalmente por ambientalistas. "Temos de debater como gente grande. Vamos acabar com o achismo ambiental." Sobre o estímulo ao crédito e a redução de impostos para incentivar os brasileiros a consumir, a ministra afirmou, em entrevista, que "medidas de curto prazo não podem ser confundidas com a discussão de médio e longo prazos da Rio+20, onde vamos fazer um debate para os próximos 20 anos, discutir o futuro do planeta sem pensar no curto prazo". Globo destaca internamente crítica de Izabella à legislação ambiental. Marina Silva ganha registro no Estado, “Estamos virando exterminadores do futuro”. Folha, sobre o evento, diz na capa que “Cúpula já tem impasse entre países ricos e emergentes”. Refere-se a fala de Sha Zukang, secretário-geral da Rio+20, contra a tentativa de países ricos de retirar ou diluir no documento final a ideia da "responsabilidade comum, mas diferenciada", pela qual os desenvolvidos contribuem mais. EUA, Europa e Japão dizem que China, Índia e Brasil, entre outros, devem assumir mais responsabilidade. Lembra que, na Rio+20, os dois eixos centrais são "economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza" e "estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável". Correio, na capa, ressalta preocupação do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, para o risco de a “Crise [econômica global] deixar Rio+20 em 2º plano”. Globo destaca crítica de Coutinho aos motores de combustão dos carros, “são delinqüentes relevantes”. Ambientalista e física indiana Vandana Shiva é entrevistada pelo Globo, “O poder está nas redes sociais”. Globo entrevista também o deputado federal do PV Alfredo Sirkis (RJ): “O Rio deve manter a centralidade na questão climática”, defende. Vazamento/ “multa gigante” – Globo noticia na capa em “Multa gigante para vazamentos” que a Agência Nacional do Petróleo quer mudar a lei para punir com mais rigor as empresas petrolíferas que causarem vazamentos de óleo no mar com danos ao meio ambiente e a vidas humanas. A multa máxima pode chegar a R$ 150 milhões, o que representa 30 vezes mais do que a regra prevê hoje. A multa mínima passará a R$ 30 milhões. Código Florestal – Deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) escreve na Folha “Por um Código Florestal equilibrado”. Publicitário Nizan Guanaes escreve na Folha “Rio + muita coisa”, sobre holofotes no Rio.

BB/BNDES/obras no Rio – Globo dá manchete para “BB faz empréstimo inédito para obras no Estado do Rio”. Informa que o Banco do Brasil vai emprestar R$ 3,6 bilhões ao governo do Rio em parcelas até 2015 – sendo que R$ 885 milhões já amanhã – para viabilizar “projetos importantes” como a Linha 3 do metrô (Niterói-São Gonçalo), a despoluição das lagoas da Barra e aquisição de barcas. Relata que o dinheiro, que será pago em 20 anos, também reforçará o caixa das obras da Linha 4. Matéria informa que, no transporte, também serão contemplados o Arco Metropolitano, a recuperação de rodovias, asfaltamento no interior, contenção de encostas na Serra e controle de cheias no Norte Fluminense. Globo cita o vice-governador e secretário estadual de Obras, Luiz Fernando Pezão, que disse que, ao negociar o financiamento junto à presidenta Dilma, também acertou a inclusão de R$ 500 milhões para a obra no Orçamento Geral da União de 2013 e mais um outro empréstimo, provavelmente do BNDES, de R$ 700 milhões. Anota que a estimativa é que a obra custe em torno de R$ 3 bilhões. Brasil Econômico dá como manchete que “Em 2015, não faltará mais dinheiro para infraestrutura, diz governo”, em referência a mecanismos como debêntures lançadas pelas empresas, que podem revolver os gargalos do setor. Cita estimativa da Associação Brasileira da Indústria de Base, de que o país precisa de R$ 180 bilhões por ano para investir na área. Estado, internamente, afirma que “Ministérios batem cabeça e paralisam infraestrutura”. Editorial do Estado, “Exemplos de Gestão”.

Cruzeiro do Sul/ “lavanderia” – Folha destaca na capa que “BC chamou Cruzeiro do Sul de 'lavanderia de dinheiro'”. Noticia que dois anos antes de decretar intervenção no Cruzeiro do Sul, o BC havia informado à Justiça que o banco era uma "grande lavanderia de dinheiro". Para o BC, o banco foi complacente com operações atípicas de um fundo, cujos cotistas não tinham dinheiro para fazer aplicações registradas. O Cruzeiro do Sul disse que não via razão para desconfiar. As movimentações atípicas se deram por meio do Clube Alta Liquidez, fundo de investimento criado em 2001. Reporta que, para o BC, o fundo foi constituído "com o objetivo claro de acobertar movimentação financeira de interesse de terceiros, visando lavagem/branqueamento de dinheiro". Valor diz na capa que “Fraudes do Cruzeiro do Sul vieram do Rio”. Informa que o BC tem indícios de que as operações de crédito fictício que levaram à intervenção do Banco Cruzeiro do Sul foram forjadas no Rio. "Parece que lá estava o problema", disse em entrevista ao Valor o diretor de fiscalização do BC, Anthero Meirelles. As chamadas "inconsistências contábeis" foram detectadas por um novo sistema estatístico da autoridade monetária, que cruza dados de mercado, dos balanços dos bancos e da Central de Risco de Crédito. Estado noticia na capa que “Cruzeiro do Sul [pagou] R$ 232 milhões em dividendos” entre 2009 e 2011 com base em resultados hoje suspeitos de terem sido forjados. Cerca de 80% foi entregue aos controladores, a família Índio da Costa. 

Seca/prejuízos – Valor dá manchete para “Seca prossegue e previsão de perdas passa de R$ 26 bi”. Informa que, depois de afetar seriamente o Produto Interno Bruto (PIB) do país no primeiro trimestre, a seca continua devastando o Nordeste e comprometendo a agricultura no Sul ao longo do segundo trimestre. Reporta que, no Nordeste, o número de municípios em situação de emergência já alcançou 996 cidades. Lembra que, em abril, 458 estavam nessa condição. Relata que no Rio Grande do Sul, a situação para a população já está mais amena (o número de municípios em situação de emergência caiu de 340 em fevereiro para 108 em junho), mas a indústria projeta que a estiagem trará prejuízos diretos e indiretos acima de R$ 16 bilhões para a economia gaúcha. Nos Estados afetados, os prejuízos previstos já ultrapassam R$ 26 bilhões. Diz ainda que, no Rio Grande do Norte, que tem 139 municípios em situação de emergência, a projeção é de um rombo de cerca de R$ 5,5 bilhões no PIB do Estado em 2012.

Documentos militares/sigilo prorrogado – Folha informa em manchete que “Governo prorrogou sigilo de documentos militares”. Diz que dias antes da entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação, o Ministério da Defesa recorreu a brechas legais para ampliar o segredo sobre documentos militares, o que pode prorrogar em até 15 anos o prazo para que eles venham a público. Diz também que o ministério não informou quantos são os documentos e por quanto tempo de fato pretende mantê-los sob sigilo. Jornal informa que “identificou a manobra” após ter solicitado acesso, por meio da nova lei, aos registros de venda de material bélico do Brasil para o exterior entre 1990 e 2012, com o objetivo de saber se os armamentos estão sendo usados por ditaduras ou grupos paramilitares em crimes contra os direitos humanos.

Espanha/resgate supervisionado – Folha informa na capa que “União Europeia diz que resgate na Espanha será fiscalizado”. Reporta que no primeiro dia útil após a Espanha anunciar aceitar uma ajuda externa de até € 100 bilhões para o seu setor bancário, qualificando-a não de resgate e sim de crédito barato e sem condicionalidades, a União Europeia se manifestou. O vice-presidente da Comissão Europeia, Joaquin Almunia, disse que o empréstimo será supervisionado pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu e pelo FMI. Globo acompanha, na capa. E Estado também. Valor informa na capa que “Bancos espanhóis terão plano rigoroso de ajuste”. Brasil Econômico também registra na capa intenção da UE de fiscalizar Espanha. Editorial do Globo, “Crise europeia continua imprevisível”. Do Estado, “Ajuda sanitária à Espanha”.

Delúbio x mídia – Folha noticia na capa que “Mídia já condenou PT pelo mensalão, afirma Delúbio”. "Estamos condenados pela imprensa, mas não podemos baixar a cabeça. A denúncia, com todo o respeito ao Procurador-Geral da República, foi uma fantasia", disse Delúbio em reunião com um grupo de aliados em Morrinhos (GO). "Quem for candidato do PT tem que se vacinar. Esse negócio do mensalão vai sair na mídia todo dia: "Dirceu é ladrão, Delúbio é ladrão". E os adversários vão pegar esse embalo", afirmou. Relata que, na reunião em Morrinhos estavam presentes cerca de 30 integrantes do partido, entre eles possíveis candidatos nas próximas eleições. Sobre a perseguição pela mídia do ex-ministro José Dirceu, cineasta Luiz Carlos Barreto escreve na Folha artigo “¿Por qué no lo matan?” no qual diz que o passado de luta do petista foi esquecido. Chinaglia/ “armadilha” – Folha, internamente, reporta que o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), participou ontem pela primeira vez de uma reunião do PT para definição de estratégia na CPI do Cachoeira. Ele recomendou que o partido não "caia na armadilha" de discutir o mensalão.

Servidores federais/pressão por reajuste – Correio destaca na capa que “Mobilização por reajustes desafia Dilma”. Informa que o governo está preocupado com o aumento das pressões para que conceder reajuste aos servidores federais, incluindo os militares. Esse foi o principal assunto da conversa na manhã de ontem da presidenta Dilma com as ministras Miriam Belchior (Planejamento) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil), o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, e o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, no Palácio do Planalto. Correio diz que, na mesa, foram colocadas as dificuldades para o governo fechar o Orçamento de 2013, se tiver de conceder aumentos para todas as categorias que já começam a fazer campanha e greves.

PSB/com Haddad – Folha, internamente, noticia que “PSB bate martelo e será o 1º partido a apoiar Haddad”. Informa que o PSB será o primeiro partido a oficializar o apoio a Fernando Haddad (PT) na corrida pela prefeitura paulistana. O comunicado formalizando a aliança deve ser feito até amanhã pelo governador Eduardo Campos (PE) e o ex-ministro Roberto Amaral, principais dirigentes da sigla, a Lula, padrinho da candidatura de Haddad, e Rui Falcão, presidente nacional petista. Campos e Amaral dirão à cúpula do PT que a decisão independe das articulações entre os dois partidos para Recife e Fortaleza, que se arrastarão até o final do mês.

MEC/inclusão – Correio, na capa, em “Uma chance aos diferentes”, noticia que mudança no texto do Plano Nacional de Educação, do MEC, garante recursos a escolas especializadas no atendimento a alunos com algum tipo de deficiência. Noticia que Plano Nacional de Educação, em tramitação no Congresso, defende repasse de recursos federais às instituições voltadas ao atendimento de alunos com necessidades especiais. No texto original, MEC prevê que estudantes frequentem salas de aulas regulares.

Turismo/demissão – Estado noticia na capa que “Cai diretor do Turismo que beneficiou parentes”. Informa que o diretor do Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico (Deaot) do Ministério do Turismo, Ricardo Martini Moesch, pediu demissão ontem. Jornal lembra que revelou, no sábado, que ele é investigado por usar o cargo para favorecer entidade dirigida por parentes, o Instituto Marca Brasil, em convênios com a pasta. Relata que o pedido de exoneração foi apresentado ao ministro Gastão Vieira (PMDB), que o aceitou. Jornal diz que a CGU deve apurar também o envolvimento de outros servidores e ex-servidores com o instituto. Banco do Nordeste – Globo noticia internamente que “Governo afasta chefe de gabinete do presidente do Banco do Nordeste”.

Pimentel/Comissão de Ética – Folha reporta que “Comissão decide investigar viagem de Pimentel”. Noticia que a Comissão de Ética da Presidência resolveu abrir procedimento para investigar a viagem do ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) em avião fretado pelo empresário João Dória Jr, presidente do Lide (Grupo de Líderes Empresariais).

Haiti/reembolso – Folha, internamente, diz que “ONU reembolsou 26% do total gasto pelo Brasil no Haiti”. Noticia que o Ministério da Defesa informou ontem que a ONU reembolsou o governo brasileiro em 26% do total gasto pelo país nas operações militares no Haiti entre 2004 e 2012.

SP/arrastões – Folha noticia na capa que “SP teve 11 arrastões a menos de 500 metros de prédios policiais”. Levantamento feio pelo jornal aponta que as atos de bandidagem ocorreram em condomínios e restaurantes dentro de um perímetro próximo da polícia.
 
Postar um comentário