quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Síntese da MIDIA IMPRESSA

MCMV/2012/R$ 23 bilhões – Brasil Econômico destaca na capa que “Habitação popular terá R$ 23 bi em 2012”. Diz que “Governo quer usar o programa Minha Casa, Minha Vida para acelerar retomada econômica em ano eleitoral”. Cita levantamento feito pela ONG Contas Abertas, que aponta que o governo contava no último dia 13 com R$ 22,9 bilhões no Orçamento para o programa. Jornal traz várias retrancas sobre o assunto internamente. Diz que o MCMV ganhou estímulo com a ampliação do teto de financiamento para R$ 85 mil, o que estimula as incorporadoras, que esperam entregar 495 mil unidades no ano que vem. Em outra retranca, afirma que o déficit habitacional do país e a baixa inadimplência afastam o risco de bolha, problema na base da crise dos EUA em 2008 com os subprime.

PIB/previsão de queda – Estado dá segundo destaque de capa para “Índice do BC prevê queda de 0,32% do PIB em outubro”. Informa que a atividade econômica brasileira teve nova retração em outubro. O indicador do Banco Central que funciona como prévia do comportamento do PIB registrou queda de 0,32% na comparação com setembro, pior do que esperado pelos economistas. Agora, segundo o Estado, eles calculam que, para o Brasil evitar uma contração no último trimestre, é necessário crescer em ritmo mensal de 0,6% em novembro e dezembro. Estadão também destaca na capa prvisão de crescimento de 2,8% para o PIB brasileiro este ano segundo a CNI. PIB/cidades – Globo, na capa, destaca que “Crise afeta PIB de cidades brasileiras”. Noticia que, ao derrubar os preços das commodities no mercado internacional, a crise financeira global de 2008 e 2009 afetou diretamente o desempenho das cidades brasileiras que dependiam da venda de matérias-primas, especialmente agrícolas e minerais. Números são do IBGE.

BofA/cenário maior/recessão – Valor destaca na capa que “BofA traça perspectivas inquietantes para 2012”. Notícia é que a economia mundial vai passar por uma desaceleração significativa no ritmo de crescimento em 2012, enfrentando um risco de 40% de cair em recessão caso a já complicada situação na Europa se deteriore e resulte em uma crise bancária, avaliam os analistas globais do Bank of America Merrill Lynch. Seus três cenários para a economia global têm a Europa como epicentro e o quadro traçado está longe de ser animador. O cenário "bom", em que os líderes europeus e o Banco Central Europeu agem com determinação para debelar a crise, tem uma chance de 10% de ocorrer. “Durar anos” – Capa do Brasil Econômico registra percepção da chanceler alemã, Angela Merkel, que “afirma que crise pode durar anos”. Ela voltou a cobrar rigor orçamentário na Eurozona.

Debêntures cambiais/Petropar – Valor, na capa, destaca “Debêntures cambiais, uma opção” para a escassez de crédito em dólar no exterior. Cita o exemplo da empresa do setor petroquímico Petropar, que decidiu recorrer à solução que não era usada há dois anos. Vai emitir debêntures atreladas à variação cambial. A captação, de US$ 210 milhões, vai financiar a aquisição do negócio de não tecidos da Fiberweb. Lembra que a A Petropar anunciou em novembro a compra dos 50% que ainda não detinha na sociedade, além de seis unidades industriais no exterior, por US$ 286 milhões. A empresa esperava ter uma linha de crédito externa liderada pelo Bank of America, mas com a desistência desse banco, as instituições locais que participavam do empréstimo - Bradesco BBI, HSBC e Santander - decidiram trazer a operação para o país. “Crédito seca” – Hoje é o dia do Brasil Econômico (depois de edições anteriores de Valor e Estado) registrar na capa que “Seca o crédito para bancos pequenos” para giros de carteira e levantar capital. Segundo o jornal, instituições do porte vão propor ao governo garantias adicionais com emissão de letras financeiras, segundo a Associação Brasileira de Bancos (ABBC).

Finep/pedidos quintuplicam – Valor divulga na capa que “Pedidos na Finep somam R$ 9,1 bilhões”. Informa que o valor dos pedidos de crédito para inovação chegou a R$ 9,1 bilhões na Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). É um volume cinco vezes maior que o do início do ano, segundo seu presidente, Glauco Arbix. Se antes sobravam recursos nas linhas de crédito nessa área, agora a Finep se preocupa com a necessidade de ganhar mais fôlego para poder atender a demanda. A soma de volumes para projetos contratados dobrou em quatro anos, passando de R$ 516 milhões em 2006 para R$ 1,2 bilhão em 2010. Há um ano, a média dos pedidos de crédito por projeto girava em torno de R$ 11 milhões e agora passou a R$ 40 milhões, com casos de mais de R$ 70 milhões nas linhas requisitadas por investidores no pré-sal.

Cade/Latam decola – Jornais destacam aprovação pelo Cade da fusão entre aéreas TAM e chilena LAN. Globo, em “LAN e TAM unidas, mas com restrição”, informa que a Latam torna-se a maior aérea da América Latina, mas terá de ceder espaços de pouso e sair de uma aliança global. Valor, em “Criação da Latam é autorizada”, destaca que a principal exigência do Cade foi a redução de voos no trecho Santiago-São Paulo-Santiago. Folha, em “Cade aprova 2 fusões, na aviação e no setor de sucos”, além de frisar mesmo aspecto destacado por Valor, informa também que o órgão aprovou também a união Citrovita-Citrosuco, o que vai criar a maior produtora de suco de laranja do mundo. TAM/Trip – Brasil Econômico dá manchete para “TAM está a um passo de desistir da compra de participação na Trip”. Internamente, diz que apesar de relatório de “due dilligence” satisfatório, a maior aérea nacional reavalia se este é o momento para concretizar expansão na direção da aviação regional. Leilões – Valor registra na capa que “MPE e ARG vão disputar aeroportos”. Informa que a empresa de engenharia MPE fechou acordo com a construtora mineira ARG para participar dos leilões de concessão dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília. Informa que Ernest & Young e a consultoria Planos Engenharia foram contratadas para auxiliar na modelagem do negócio.

Jáder/STF dá posse – Estado mancheta que “STF autoriza o 'ficha-suja' Jader Barbalho a tomar posse”. Informa que, “um dos símbolos do efeito da Lei da Ficha Limpa”, o senador eleito Jader Barbalho (PMDB-PA) obteve do Supremo Tribunal Federal autorização para tomar posse. Com a decisão, o STF enxugou ainda mais o alcance da lei que ainda é questionada no tribunal. Folha informa na capa que “Presidente do STF autoriza posse de Jader no Senado”. Noticia que, após receber PMDB, o presidente do STF, Cezar Peluso, autorizou Jader Barbalho (PA) a tomar posse no Senado. Lembra que Barbalho foi eleito em 2010 e barrado pela Ficha Limpa. Globo também chama assunto na capa em “Supremo põe Jader de volta no Senado”. Destaca que, pela primeira vez, Peluso usou a prerrogativa de votar duas vezes, desempatando o julgamento. Correio também registra assunto na capa em “Jader de volta”. Na mesma chamada diz que presidente do Senado, José Sarney, articula candidatura de ex-presidente Fernando Collor à presidência da Casa.

Pimentel/ “palestras fantasmas” – Globo chama na capa que “Pimentel ganhou por palestras fantasmas”. Informa que as unidades regionais da Federação das Indústrias de Minas Gerais desmentiram o ex-presidente da entidade Robson Andrade e disseram que o ministro Fernando Pimentel nunca deu palestras nesses locais em 2009. Ao justificar pagamento de R$1 milhão a Pimentel, Andrade disse que as palestras foram parte do serviço de consultoria. Globo traz nota opinativa interna “Jogo de palavras” sobre “contorcionismo” da retórica da presidenta Dilma para dizer que Pimentel não tem o que explicar. Globo internamente noticia que “Base volta a impedir convocação”. Registra que dois requerimentos para que Pimentel vá ao Congresso são derrubados. Panorama Político, de O Globo, em “Amarelaram”, informa que “tucanos e demistas debateram, reservadamente, a convocação do presidente da CNI e ex-da Fiemg, Robson Andrade, para explicar a consultoria prestada pelo ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento). A proposta foi arquivada”.

PGR/Agnelo – Correio informa na capa que “PGR analisa bens da família de Agnelo”. Relata que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, vai pedir informações à Polícia Federal sobre suposta investigação da evolução patrimonial de familiares do governador Agnelo Queiroz. A PGR estuda abrir investigação para apurar denúncia de suposto enriquecimento ilegal de parentes de Agnelo na época em que ele era diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Privataria/deu na Folha – Folha rompe bloqueio da grande mídia ao livro “Privataria Tucana”, de Amaury Riberio Jr., e registra internamente que “Jornalista acusa tucanos de receber propina”. Diz que um livro que chegou à praça no fim de semana acusa o ex-governador José Serra de receber propinas de empresários que participaram das privatizações conduzidas pelo governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Afirma que obra não exibe provas de ligação com privatizações no governo FHC. Diz ainda que, acusado de montar central de espionagem com o PT, autor diz que não fez nada ilegal para obter informações. Brasil Econômico dá nota em Mosaico Político.

Lei da Palmada/Comissão aprova – Folha e Correio dão manchetes para a chamada Lei da Palmada, aprovada ontem por unanimidade na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. O projeto especifica que crianças e adolescentes devem ser protegidos do "castigo físico", quando o uso da força resulta em sofrimento e lesão. Texto segue para o Senado. Correio anota que professores que se omitirem sobre agressões podem ser punidos. Estadão registra assunto na capa em “Câmara aprova projeto que proíbe palmada”.

Violência/30 anos – Globo dá manchete para “Violência mata 1,1milhão de brasileiros em 30 anos”. Informa que o crescimento da violência no país nos últimos 30 anos produziu uma estatística trágica revelada em levantamento divulgado ontem: creca de 1,1 milhão de pessoas foram assassinadas nesse período. Apenas no ano passado, foram mortas 50 mil pessoas, ou 137 por dia. Relata que a taxa de homicídio no Brasil, que em 1980 era 11,7 por cem mil habitantes, saltou para 26,2 por cem mil em 2010. Alagoas é o estado em pior situação, seguido por Espírito Santo, Pará, Pernambuco e Amapá. A taxa de homícidios caiu no Rio de Janeiro e em São Paulo. Jornal informa que Santa Catarina tem a menor taxa.

Previdência de Servidores/votação adiada – Correio chama na capa que “Fundo de Previdência para servidores só [sai] ano que vem”. Diz que a equipe econômica resistiu o quanto pôde, cedeu até a última linha na reivindicação de parlamentares da base e dos sindicatos e, mesmo assim, não conseguiu votar neste ano o projeto que cria o fundo de pensão para os servidores públicos. Com um terço do PSB disposto a votar contra o projeto — apesar dos apelos do governador de Pernambuco, Eduardo Campos — e as resistências de parte do PT e do PCdoB, além das obstruções da oposição e do PDT, a saída foi ler o relatório do deputado Ricardo Berzoini (PT-SP) e fechar um acordo para que a matéria seja votada no início de fevereiro, na reabertura dos trabalhos do Congresso. Destaca que “a derrota política do governo” aconteceu dois dias depois que a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, reuniu líderes do PT e do PMDB no Palácio do Planalto para dizer que o fundo e a Desvinculação de Receitas da União (DRU) eram as grandes prioridades do governo este ano. Judiciário/reajuste – Correio informa em “Reajuste do Judiciário”, que o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou ontem, por meio de liminar, que o Congresso aprecie a proposta de orçamento original do Poder Judiciário para 2012 em conjunto com o Projeto de Lei Orçamentária enviado pelo Poder Executivo.

EDP/hidrelétrica – Brasil Econômico informa na capa que “EDP constrói usina de R$ 1,4 bilhão no Amapá”. Segundo o jornal, a hidrelétrica de Santo Antônio do Jari, na divisa com o Pará, terá capacidade para abastecer 3 milhões de habitantes com a produção de 373,4 megawatts. Previsão é que esteja pronta em 2015, segundo a empresa subsidiária de grupo português do setor. Valor, internamente, informa que “Centrais e empresas fecham pacto mediado por governo para grandes obras”.

Brasil Sem Miséria/ “famílias invisíveis” – Correio, internamente, em “Famílias continuam invisíveis”, diz – a propósito do Plano Brasil sem Miséria – que, até agora, o fracasso da iniciativa de identificar e cadastrar as famílias em condição de extrema pobreza vem sendo a principal razão para os baixos gastos do governo com programa social. Informa que um balanço das ações do plano será apresentado amanhã pela ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, no Palácio do Planalto. Afirma que Dilma deve participar da cerimônia.

Mulheres na política/Bachelet – Globo relata internamente que, “No Brasil, Bachelet critica a baixa participação de mulheres na política”. A ex-presidente do Chile Michelle Bachelet e atual secretária-geral adjunta das Nações Unidas e diretora-executiva da ONU Mulheres disse ontem que é preciso aumentar com urgência a participação feminina na política. Lamentando que apenas 19% das parlamentares no mundo sejam mulheres, ela se reuniu com deputadas e senadoras brasileiras, no escritório da ONU em Brasília, em sua primeira missão no país como representante da entidade.

PMDB x PT/Caixa – Valor relata internamente que “PMDB e PT disputam controle de R$ 44 bi”. Informa que a disputa entre PT e PMDB na cúpula da Caixa Econômica Federal tem por objetivo o controle dos bilionários recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), cujo orçamento para investimentos em 2012 é de R$ 44 bilhões. Diz que os pemedebistas acusam o presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda, de tentar diminuir o poder de Fabio Cleto, vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias. Ele integra dois conselhos do fundo: o comitê de investimentos do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS) e o conselho curador do FGTS.
Postar um comentário