sexta-feira, 8 de abril de 2011

Tiros em Realengo

Hoje pela manhã estava pensando exatamente sobre esse fato. Assino embaixo. Bem lembrado a Chacina da Candelária.

Cari.

----- Original Message -----
From: ctusco@gmail.com

Com profundo respeito e sem desconsiderar a tristeza e perplexidade que o fato ocorrido ontem em uma escola no Rio certamente nos gera, gostaria de partilhar minha preocupação a cada vez que fatos de mobilização nacional aparecem, em especial, com envolvimento de atores isolados, em tese - pois nos é mais fácil assim acreditar...


Informações sobre o rapaz que realizou a chacina começam a circular e os repórteres-caça-psicopatas começam a rondar os saberes psi para legitimarem suas imagens, impressões e discursos. E, arrisco em dizer, lamentavelmente, alguns psi gostam de ser carniça, especialmente se o banquete for público, em rede nacional...incautamente acabam por atestar leigos diagnósticos passionais.


As informações sobre o rapaz publicadas até o momento e usadas de forma oportunista já comprometeram, no mínimo:


  • políticas voltadas para adoção ("o rapaz era adotado...", );
  • políticas para a saúde mental (era um "maluco", "doente", um psicopata que premeditou tudo... a idéia de perigo e loucura...);
  • políticas para a educação (era ex-aluno da escola possível vítima de bullying, ou seja, foi um ato de natureza estritamente pessoal, de vingança);
  • Políticas de segurança (apenas na perspectiva de que não havia policial e apenas por isso as escolas estão vulneráveis...);
  • O direito à intimidade - a informação é a de que o rapaz tenha se suicidado... vão vasculhar sua vida e contar a história que interessar a fim de afastar de nós, "telespectadores de bem" as próprias mazelas que provocam cenários como esses. Serão traçados perfis e perfis sobre alguém que não pode mais falar;
  • respeito à diversidade religiosa - há alguma referência ao islamismo em sua "carta de despedida";
  • respeito à diversidade sexual - expecula-se que o fato de ter atingido mais meninas que meninos seria uma possível homossexualidade... que, de maneira geral, já não é vista com tolerância pela sociedade;
Nessas horas, mostram-se sofrimentos de pais, seus desesperos... sem respeito as suas intimidades, privacidades.

Crianças, que acabam de passar por uma experiência de alto estresse são livremente entrevistadas, vezes por repórteres sedentos por notícia, pouco ou nada cuidadosos.

Há um consolo, pois volta a temática do desarmamento, mesmo que de maneira tosca e moralista, mas é um consolo.

Vale dizer que o cenário trágico, infelizmente e diferentemente do que ouvi hoje nos jornais, tem precedentes sim!! Numa escola, realmente não, mas não nos esqueçamos, por exemplo, da chacina da Candelária... alguns ainda duvidam, mas sim, eram também crianças e adolescentes, não eram "menores"...


Outras questões certamente serão provocadas ao longo da semana (com seu ápice, possivelmente em algum programa dominical da TV aberta..), mas numa reflexão imediata, de reação à circulação de informações sobre cenário tão complexo apenas na manhã de ontem, são essas poucas palavras que escrevo, como um desabafo.

Meus sinceros sentimentos de pesar aqueles que se foram, aos que aqui ficaram chorando suas tristes e precoces partidas.
  
Cláudio Tusco, Delegado Federal.

Postar um comentário