terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Idiota imperfeito

Quando você lê uma matéria dessa não da ânsia de vômito? Os argumentos são os mais descarados possíveis. São todos da mesma laia.
Agora, esse projeto de lei do LULA que punir o corruptor, vai ser tudo de bom, se levado a sério. Esse, de todos os itens positivos de uma reforma política, é o que pode resultar mais concretamente no combate a corrupção.


http://blog.planalto.gov.br/projeto-de-lei-aperta-cerca-contra-empresas-envolvidas-em-corrupcao/


Cari.



Por: Ricardo NOBLA


Fonte: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/



A essa altura, por tudo que se sabe, é quase irresistível a tentação de chamar de corrupto o governador José Roberto Arruda, do Distrito Federal (foto acima).
Ele foi apontado pela Polícia Federal como “chefe de uma organização criminosa” responsável pelo mensalão do DEM. Mas a polícia diz o que quer, escreve o que quer e não vai presa. No meu caso...
Nunca fui preso pelo que escrevi. Muito do que escrevi foi censurado na época da ditadura militar de 64. Quanto a ser processado, o depoente reconhece que foi mais de uma dezena de vezes.
Condenado? Só uma – e por negligência do meu advogado. Paguei R$ 20 mil como forma de reparar a honra de um ex-deputado distrital de Brasília preso mais tarde por grilagem de terra.
Outro dia, Arruda distribuiu nota afirmando que me processará por que eu o acusara de oferecer R$ 4 milhões para cada deputado disposto a votar contra seu impeachment.
Leu errado.
Publiquei no blog que a oferta partiu do “esquema interessado” em mantê-lo no cargo. Fazem parte do “esquema” empresários de Brasília que lucraram milhões com obras superfaturadas.
Acho até que Arruda não sabia...
Se cedesse à tentação de taxá-lo de corrupto seria processado na hora. Como só cabe à Justiça resolver essa parada - se quiser e quando quiser -, por ora prefiro me referir a Arruda como um idiota.
Um rematado idiota. Ou melhor: um idiota imperfeito.
Idiota é quem comete uma burrice por descuido ou ignorância. O imperfeito idiota comete a burrice porque se julga inteligente demais, esperto demais.
Logo depois de se eleger governador em 2006, Arruda soube que havia sido filmado recebendo dinheiro vivo durante a campanha.
Quem lhe contou?
Durval Barbosa, o autor do filme, responsável pelo pagamento de despesas da campanha de Arruda. Na ocasião, Durval se desculpou: “Eu tenho de me defender...” O filme permaneceria inédito se ele ganhasse um cargo no futuro governo.
Não um cargo qualquer. Mas um com direito a foro privilegiado. Durval coleciona processos desde o governo de Joaquim Roriz, seu mentor. Quem tem foro privilegiado costuma escapar mais facilmente de condenações. Daí...
Daí que Arruda nomeou Durval secretário de Relações Institucionais. E ao invés de isolá-lo em seguida, deixou-o cuidar do pagamento do mensalão. Durval passou então a filmar todo mundo.
Em setembro último, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal aceitou mais um processo contra Durval. Arruda prometera dar um jeito para que o processo fosse recusado.
Sentindo-se traído, Durval abriu sua filmoteca, sacou de lá 30 vídeos e estragou para sempre a vida de Arruda. Foi a primeira idiotice cometida pelo governador - confiar em quem o chantageara antes e estocava munição para detoná-lo.
A segunda monumental idiotice: tentar se entender com o jornalista Edson Sombra, o amigo de Durval que mais o incentivou a despachar Arruda para o inferno.

Sombra diz que Arruda lhe ofereceu R$ 3 milhões. Em troca, ele deveria desqualificar os vídeos dizendo que foram adulterados.
Arruda alega que foi procurado por Sombra atrás de favores, e que se recusou a atendê-lo.
Ambas as versões podem conter furos – mas a de Arruda é uma peneira.
O deputado Geraldo Naves (DEM) confirma que visitou Sombra a pedido de Arruda. Confirma também que entregou a Sombra um bilhete escrito por Arruda onde ele suplica a certa altura: “Quero ajuda”.
Wellington Moraes, secretário de Comunicação do governo, confirma que Arruda e Sombra conversaram por telefone.
Que Arruda aja como um idiota imperfeito é problema dele. Mas que queira nos fazer de idiotas, alto lá!
Primeiro o dinheiro filmado com ele era para a compra de panetones. Agora, tudo não passou de mais uma armação de Durval.

Foi o sobrinho e secretário-particular de Arruda que providenciou o dinheiro entregue a Sombra.

Corrupção, não, mas idiotice é crime imprescritível. Só por isso Arruda merecia estar preso.
Postar um comentário